OS INFILTRADOS

Os políticos de todos os níveis tripudiaram por décadas do povo brasileiro, achincalharam suas reivindicações, riram das petições públicas e insistiram que não tínhamos direitos de nenhum tipo. Agora com a movimentação urbana da sociedade na tentativa inicial de conscientizar o governo e numa sequencia posterior caso não sejam atendidos, derrubar o governo, certamente haverá o movimento de desarticulação.

Como isso funciona? Simples; governos na iminência de uma queda previsível infiltram membros dos partidos como agentes desagregadores. Estes indivíduos entram nos movimentos como simpatizantes e ao longo das manifestações vão identificando os líderes e levantando seus antecedentes e informações pessoais, entregam ao serviço de inteligência e começam a perseguir e ameaçar de forma indireta o que leva ao separatismo.

Estes indivíduos cientes dos planejamentos de mobilização acionam seus asseclas para estarem presentes nas manifestações ao lado dos demais, para em determinado momento começarem com atitudes simples a desafiar as forças de segurança pública através de gestos e palavras impróprias, seguindo-se de arremesso de pequenos objetos, o que leva ao revide das forças de repressão com bombas de efeito moral e “armas não letais”.

Em geral, estes infiltrados utilizam lenços cobrindo o rosto parcialmente ou totalmente, lembrando que quem vai para protestos pacíficos não precisa esconder a identidade, não tem nada a temer e esta é a sua garantia de vida caso seja intimidado de forma violenta pela força policial.

O crime organizado, que também fomenta a discórdia social para mudar o foco da manifestação e repressão do combate ao crime do qual são alvo, associam-se com frequência ás forças de segurança pública para semearem a discórdia e com isso os órgãos de segurança terem argumentos para justificar a truculência policial. Essa associação criminosa é um fato corriqueiro haja visto que por vezes a policia tem um grau de corrompimento bastante elevado, especialmente nas capitais.

Nos próximos dias veremos alguns cenários interessantes:

Sendo o primeiro a tentativa do governo de dizer que fará todo o possível para manter a ordem pública e atender ás reivindicações dos manifestantes, neste caso a sociedade como um todo. Porém não podemos nos esquecer de que são os mesmos governantes que fazem escárnio e baderna além de roubar o país consecutivamente e sem dor na consciência. São justamente aqueles que estão sendo combatidos pelo descaso que se propõem a vir como salvadores da pátria. Esta é a primeira tentativa de diminuir a pressão sobre o governo.

No segundo caso, entram em cena as mídias jornalísticas para caracterizar as passeatas como ações de vandalismo focalizando não os manifestantes que vão pacificamente com seus amigos e familiares gritar palavras de ordem. Mas sim, as imagens dos infiltrados e oportunistas diante ao caos que se instala quando se suscitam os confrontos que são o objetivo principal dessas minorias, descaracterizar o caráter pacifico das manifestações. Isso tem a finalidade de colocar a opinião pública que não adere aos movimentos contra os legítimos manifestantes.

O terceiro caso se dá quando os movimentos vão perdendo o fôlego por falta de objetividade, daí a necessidade de se manter a chama acesa dos protestos, no caso brasileiro existem uma infinidade de mudanças que precisam ser colocadas no centro dessas manifestações. Sem uma movimentação sincronizada, a fragmentação da massa popular lançará novamente a sociedade no limbo em que se encontra até então e será motivo de declarações do tipo “Sabíamos que acabaria em pizza!”. Marcar manifestações regulares com pouco espaçamento de tempo revitaliza a luta e reacende a chama patriótica.

Quarto caso, os movimentos ganham massa humana, se organizam em grupos de resistência e passam a fiscalizar (homem a homem) todos os participantes no sentido de evitar o vandalismo, mas com formação para resistir ao confronto com as forças de segurança caso sejam reprimidos no direito de ir e vir durante as passeatas. A Constituição Federal garante a todos os brasileiros o direito de ir e vir, as repartições públicas também ditas “Casas do Povo” costumam ser exatamente os lugares onde a população jamais entra ou tem o direito de voz, sendo estes os primeiros alvos de manifestação por serem uma representação física da imoralidade política vigente.

Quinto caso, o governo perde prestígio e representatividade e começa a debandada de governantes, inicia-se o processo de revolução e tomada do governo, porém é fundamental que se preveja na sequencia o restabelecimento democrático. Nesta fase existe um impasse quando os titulares que sucedem a presidência, que inclui o Congresso Nacional e estes estão corrompidos de forma absoluta por fazerem parte da base aliada, acabam por deixar o país à deriva. É necessário pensar na consequência desta atitude ainda que seja necessária para reconduzir o país ao lema “ORDEM É PROGRESSO” há muito esquecido. Talvez nesta nova ordem devamos colocar oficialmente no símbolo máximo nacional o acento na letra E conforme o exemplo acima.

Os casos acima são a sequencia normal de eventos que antecedem uma revolução, se o Brasil está preparado para isso é muito difícil dizer, mas leve-se em consideração que para tudo existe um limite que neste caso já foi extrapolado faz muito tempo. Impostos altíssimos, baixa qualidade de vida, altos índices de corrupção, índices insignificantes de crescimento, inflação descontrolada e por último dentre tantas outras coisas a incapacidade de governabilidade de partidos que visam somente o poder. Planos de governo e de poder são coisas bem distintas, ainda que caminhem juntas, uma não deve estar em detrimento da outra.

Governos que se estabelecem ás custas da compra de apoio para poderem governar não tem vida longa nem próspera, subtraem o patrimônio publico nacional e enriquecem seus pares, vendem estatais a preços irrisórios para seus parceiros de negociatas, mas antes fazem o processo de desvalorização de mercado para que aquele patrimônio seja classificado como inviável e gerar prejuízo, vide o recente caso de sucateamento da PETROBRAS que já não está entre as 100 maiores empresas do mundo e até pouco tempo estava entre as 10 primeiras. Casos semelhantes aconteceram com outras grandes empresas como CSN, Vale do Rio Doce entre outras.

Enfim, o Brasil precisa com muita urgência e energia ser reconduzido ao estado democrático com reformulação das leis mais essencialmente para a classe política, utilizando de maiores rigor e penalidades para os crimes de colarinho branco e desvio de verba pública. Inclusive é importante que se apure, penalize e condene todos aqueles que tiveram enriquecimento ilícito nos últimos 25 anos pelo menos, sem isso significa passar a mão na cabeça dos criminosos e fingir que nada aconteceu. Isso mais uma vez é favorecimento e não é varrendo a sujeira para debaixo do tapete que construiremos um país diferente daquele que já temos.

A certeza da impunidade faz com que se roube de forma fácil e desmedida até ao ponto em que vira regra e passa a fazer parte do ciclo político vicioso daquele meio. Se o país não mudar agora, talvez não mude nos próximos 50 anos, com isso pelo “Andar da carruagem” arriscamo-nos a não ter Brasil nenhum no futuro e sim pequenos países de língua portuguesa na América do Sul, conforme aconteceu com a América Espanhola que não conseguiu manter a integridade única de seus territórios.

O gigante acordou e veio em nosso socorro para aplacar a ambição dos corruptos, cabe a nós brasileiros dar-lhe um nome e uma direção, de outra forma voltará a dormir em “berço esplêndido” sem data para acordar.

 

Ana Paula de Carvalho, ainda na luta e agora não mais sozinha!

 

Sobre Ana Paula Carvalho Silva

apc_anapaula@hotmail.com
Esse post foi publicado em Civilidade.com.BR, Início, Opinião. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s