Abaixo-assinado SOS Jaconé-RJ Porto Não!

Abaixo-assinado SOS Jaconé-RJ Porto Não!.

Sobre Ana Paula Carvalho Silva

apc_anapaula@hotmail.com
Esse post foi publicado em SOS JACONÉ PORTO NÃO. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Abaixo-assinado SOS Jaconé-RJ Porto Não!

  1. Sérgio Maurício Hill Regenerati - Itaúna / Saquarema-RJ disse:

    Moro em Saquarema desde 1992 e já morei em Jaconé por 5 anos. Apesar de trabalhar no ramo do Offshore, não concordo com o Porto em Jaconé, pois sei que tudo irá piorar, visto que acompanhei já isso aqui em Macaé na Praia de Imbetiba e na cidade em geral e eu acho que Macaé com o Porto da Petrobrás, a qualidade de vida piorou muito, virou uma cidade industrial com vários impactos negativos para população. Não gostaria que isso a acontecesse com Jaconé / Saquarema / Maricá.
    Obs: Como faço para obter camisas e adesivos do protesto “SOS JACONÉ PORTO NÃO” ????

    Sds

    Sergio

  2. Francisco Sena disse:

    Gente!!! Como é possível não concordarmos com o desenvolvimento da nossa região? Se em outros municipios ocorreram erros só temos a lamentar. Podemos corrigi-los aqui e não deixarmos acontecer com Maricáe Saquarema o que aconteceu com os outros. Agora não lutarmos por um terminal portuário em nossa região é uma pena. Acredito que é melhor termos um porto aqui com geração de renda do que não termos nada. Não concordar com a vinda de desenvolvimento pra nossa região é igual a não concordar com a Copa do Mundo no Brasil, com as Olimpíadas no Rio de Janeiro e assim por diante. Afinal de contas o país e o Rio tbm não têm estrutura para tal. Mas essas estruturas podem ser criadas com geração de emprego e renda. Por favor, repensem suas posições. Não radicalizem. Participar de todo o processo de um projeto com sugestões e atuações é uma coisa e não concordar com nada é outra. Em vez de ficarmos imaginando terras degradadas, favelas em profusão e desordem generalizada; imaginem melhoria de estradas, crescimento economico, geração de emprego e renda, sustentabilidade, etc. Se continuarmos nesse caminho perderemos o bonde da história, assistindo Campos dos Goitacazes crescer e virar metrópole, Macaé desenvolvida com prédios e escritórios de multinacionais em profusão, Rio das Ostras com com o 2ª IDH do Brasil, Itaboraí se transformando num novo “Eldorado”, São Gonçalo inaugurando um shopping por ano e a nossa Maricá com Jaconé sem asfalto e saneamento básico, o centro de Maricá mais parecendo uma cidade do “velho-oeste” e nossas estradas sem a menor condição de tráfego. Isso sem falar nos hospitais e escolas que cá pra nós não vale nem comentar. Por que todos que são contra o porto não trocam de bandeira e vão correr atrás de hospitais, escolas técnicas e universidades pro nosso município?

    • Prezado Sr. Francisco Dourado,

      Não concordar com o Porto não é ser contra o desenvolvimento, somos a favor de desenvolvermos de outra forma, que não seja a instalação de um Porto (em Jaconé), somos a favor, por exemplo, que seja através do GEOPARQUE, que além de não impedir acesso a áreas como um parque comum, fomenta a indústria do turismo e é neste sentido de desenvolvimento que vislumbramos e não algo que após a exploração do pré-sal não terá mais finalidade, até porque o pré-sal tem data de validade, já o turismo pode ser explorado por anos se bem implementado.

      Nada sem planejamento neste porte pode dar certo, como já deve saber a prostituição e drogas entre outros já é fato nas cidades em que impuseram desordenadamente desenvolvimentos fictícios como este, e como é apresentado em diversas argumentações é irreal acreditar que este empreendimento gerará renda. Mas, o sonho é livre e democrático! E, desta forma lutamos pelo PORTO NÃO!

      Cabe ressaltar que desenvolvimento e progresso não são a mesma coisa, não significa ter indústria para fazer o que os governos não são competentes para implementar. Desenvolvimento é gerar qualidade de vida aos moradores através de estruturas e infraestruturas estabelecidas para vocação destas cidades. E, no caso Saquarema e Maricá há muito tempo optaram, em suas leis orgânicas, pela vocação do turismo e através deste segmento é possível desenvolver-se.

      Realmente e respondendo agora de forma pessoal, sou contra a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Brasil, não temos o menor preparo seja ele social ou estrutural como são os casos dos transportes, segurança e especialmente a saúde! Já imaginou quantos hospitais poderiam ser construídos em troca de cada estádio de futebol? Vejo reformas e novas construções para a Copa do Mundo, mas me diga: Quantos hospitais forma construídos em paralelo?

      O fato é que pagaremos por isto anos a fio como foi o caso do Pan Americano! Como muitos outros países ainda pagam. O retorno não justifica o investimento! Entretanto neste caso é minha opinião individual, vejo a subtração do patrimônio público através destas obras e não desenvolvimento como é o seu argumento.

      Gostaria de entender quando pessoas defendem uma forma de desenvolvimento diferente daquelas em que outros defendem, porque é que são chamadas de radicalistas? Para mim, sempre acreditei que pensar diferente é parte da democracia e direito de cada um, e a democracia está ai, justamente para que inclusive a minoria seja respeitada, ainda que como o próprio adjetivo diz: minoria.

      O que acontece é que as favelas já estão em pleno desenvolvimento por toda a região e vizinhança do Complexo Petroquímico, isto não é imaginação, são fatos, constados numericamente em estudos por órgãos responsáveis. Ainda que o senhor não tenha tido a oportunidade de estudar mais profundamente para exprimir sua opinião, que é similar á de tantas outras pessoas que por aqui passam de forma ocasional, não tendo laços efetivos estabelecidos com a cidade, como são os casos dos veranistas. Maricá hoje tem apenas turismo de baixa renda, se tornou o quintal de São Gonçalo, Itaboraí e outros justamente por pensamentos expansionistas a qualquer custo. Ao final, depois de gozarem os fins de semana aqui, deixam o lixo que trouxeram (já que não consomem nada no comércio da cidade) para nós recolhermos!

      Rio das Ostras como citou em IDH, veja à quanto tempo e de que maneira a mesma organizou seu desenvolvimento, e não optara por uma vocação qualquer, e sim do turismo que é o seu segmento e todo o seu plano diretor está sendo seguido de forma sistemática governos pós governos, pois respeitam as leis e a população faz com que isto tenha continuidade. E, diferente do que ocorre aqui a primeira coisa que fizeram, já que não conseguiriam fazer licitamente, foi alterar o plano diretor desrespeitando a Lei do Ministério das Cidades, então empreendimentos como este acima de tudo são ilegais para a região.

      Macaé e São Gonçalo não são exemplos de um desenvolvimento sustentável… Campos já crescia na época da cana de açúcar, só mudaram o foco. Maricá toda, de Itaipuaçu a Jaconé sem asfalto, assim como em muitas ruas de Saquarema, estão sem asfalto por incompetência dos governos ali instalados, pois é um equivoco colocar o êxito de qualquer gestão num projeto que não pertence à administração municipal, e se fazem alguma coisa, são acordos escusos que o ultimo beneficiado, se for, será o cidadão comum. O mesmo serve para o saneamento é obrigação do Estado garantir saúde, saneamento, qualquer coisa fora disso é incompetência de gestão, acrescida da corrupção pelo motivo que até hoje não temos nada disto, entretanto neste caso até fim de 2013, todas as cidades deverão ter seus planos de saneamento e começar a implementação independente de recursos, isto é uma obrigatoriedade federal e não mérito do governo municipal ou estadual.

      Uma coisa que devemos ter em mente é que muitos acham natural recursos de contrapartida serem aplicadas naquilo em que é por obrigação das administrações fazerem, e neste sentido perdemos todo o capital necessário para recuperar a vocação (quando possível o que não seria o caso de Jaconé com o porto) ou criar outro modo de subsistência após a exploração do petróleo.

      Sim, muitos de nós que hoje defendemos um desenvolvimento diferente daquele que o Sr. acredita, já lutamos e somos membros ativos através de associações de moradores, comitês de bacia hidrográfica, agendas 21, conselhos municipais para conquistar melhores condições de saúde, educação, infraestrutura urbana, cultura, entre outras causas. Também concluímos que ao lutar contra o porto estamos colaborando para a não falência do péssimo serviço a que hoje somos reféns!

      E, fazemos disto, Sr. Francisco, nossa luta diária! E a luta continua…

      Atenciosamente,

      Ana Paula de Carvalho

      Membro do Movimento LUTO por Maricá, SOS Jaconé Porto Não, GEOPARQUE Costões e Lagunas Já, Engenheira Civil, Especializada em Engenharia de Saúde Pública pela ENSP, Mestre em Gestão e Perícia Ambiental, Diretora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção RJ, Membro da Câmara Técnica de Análise de Projetos do Comitê de Bacia Hidrográfica da Baia de Guanabara e dos Sistemas Lagunares de Maricá e Jacarepaguá, entre outros adjetivos e qualificações profissionais e como cidadã participo de eventos, reuniões e demais atos e ações populares e de governo.

      • Francisco Sena disse:

        Parabens Sra. Ana Paula!!!
        Fico contente em saber que uma pessoa com tantas qualificações esteja à frente de todos os movimentos e questões citadas em seu comentário. Se fui mal interpretado, peço-lhe desculpas.
        É claro que tenho minhas convicções, assim como vc tem as suas. É uma pena que sejam tão antagônicas. Mas, fazer o quê?
        Ainda com relação a seus comentários, percebo, salvo engano, que comungamos de ideologias diferentes. Eu, por exemplo, entendo que o estado não tem todo as obrigações citadas. Quando muito, entendo-o como ente regulador e nada muito mais do que isso. Acredito sim, que nós, como sociedade é que devemos fazer e não esperar o estado com sua imensa incapacidade inercial fazer por nós. Mas essas questões podem render uma quantidade enorme de livros a respeito.
        Pelo visto, vc tbm deve ser contra o COMPERJ, a exploração de Petróleo no mar, do Estado do Rio voltar a ter a importância devida, quem sabe até o descobrimento do Brasil vc deve ser contra. Talvez fosse melhor nós estarmos ainda andando nús por aí e comendo a carne de nossos inimigos.
        Sou residente fixo e eleitor de Maricá, pois moro num sítio aqui em Manoel Ribeiro desde 2005. Por ser morador daqui torço pelo crescimento de nossa região e acredito que de uma forma ou de outra nós vamos crescer. Tenho certeza que não será uma ou um grupo de pessoas que impedirá tal desenvolvimento.
        E pra não criar maiores polemicas, encontro-me à disposição para participar de movimentos do tipo:
        – Continuação da duplicação da Rodovia Amaral Peixoto até Sampaio Correa (lá está sendo instalado um polo industrial e precisa que sua produção seja escoada)
        – Cobrança implacável ao Prefeito para que dê continuidade as obras do novo Hospital de Maricá (se é que isso é verdade)
        – Luta pela instalação em Maricá de escolas técnicas (FAETEC, CEFET e outras)
        – Luta pela criação de Campus Universitários em nossa região (UFF, UFRJ, UERJ e outras)
        – Luta pela modernização do Aeroporto de Maricá para que ele seja alternativa aos aeroportos do Rio e sirva como base para as operações do Pré-sal
        – Cobrança ao Estado para que duplique a Rodovia Maricá-Itaboraí, pois quanto maior for nossa ligação com Itaboraí melhor será para Maricá
        – Providencias urgentes para que o centro de Maricá seja totalmente remodelado acabando assim com aquele aspecto de “cidade do velho-oeste” (afinal de contas grandes lojas de magazines estão se instalando na cidade e precisamos dar-lhes uma contrapartida)
        Enfim, tudo que for para o crescimento, desenvolvimento e progresso de Maricá estarei sempre à disposição.
        Passar bem;
        Francisco Dourado

    • Ana Paula, é minha humilde opinião como seguidor do seu blog que não se dê ao trabalho de responder a tanta baboseira, acho até que devia apagar comentários como esse de pessoas mal resolvidas. Às vezes aparecem umas bestas como esse Chiquinho dourado para criar a discórdia onde não existe cada um tem sua opinião e neste caso se não lhe agrada passa a falar o monte de besteiras acima citadas. O sujeito que deve ser um borra botas esparro desse governo corrupto petista do Quaquá ou de qualquer outro deste país, talvez trabalhe para a DTA ou FSB, pelo menos tem o perfil dessa canalhada toda ainda e dá ao trabalho de falar tanta bosta. Nunca deve ter saído de casa para reivindicar seja lá o que for e ainda quer participar desse ou daquele movimento! Deve estar esperando uma boca para mamar nas tetas do governo, se quer morar perto de porto muda pra Angra, se quer morar perto de refinaria vai pra Caxias, cria seu próprio blog e forma opinião, mas tem que deixar de ser o babaca que se mostrou aí em cima tentando desde o início desqualificar esta página que só acrescenta informação. Neste caso específico eu que também moro num país democrático e onde posso me expressar da forma que bem entender como estou fazendo agora, acho sim que o problema da descoberta do Brasil é acabar em pessoas com a sua opinião que nada acrescenta a não ser a mediocridade de suas vidas. Vai cortar um grama, lavar uma roupa, arruma o que fazer e para de encher o saco chiquim!!!
      Ia esquecendo, passe bem!

  3. Ana Duffrayer disse:

    Ana Paula não me deixou muito à colocar. Em primeiro lugar, tenho o direito de ser contra e faço uso dele. Não tenho como visualizar um desenvolvimento SUSTENTÁVEL com a implantação do Porto(???Nem sabemos ao certo o que rolará realmente). Estou no bairro de Jaconé há 23 anos, acho que temos grande potencial para o turismo e que infelizmente existiu e existe incompetência ou descaso, governamental!!! O que temos atualmente em nosso bairro, não comportaria este empreendimento, mal dá para os que aqui estão, correr atrás do prejuízo depois do mesmo ser implantado é impossível! As pessoas serão muitos mais rápidas que as “maravilhosas” obras de urbanização. Por que devemos destruir nosso paraíso através do porto, para termos desenvolvimento? Podemos desenvolver sem ele! Falta cobrança dos munícipes aos governantes atuais para que tenhamos o que temos direito! Bons hospitais, bons colégios, água e esgoto, lazer e etc…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s