Quero Fazer Mais!

O Movimento Luto por Maricá através desta carta vem se solidarizar com todos os municípios que sofrem hoje o as intempéries que assolam nosso estado sucessivamente nestes anos de abandono e má administração generalizada. Estamos assistindo na primeira fila toda a incapacidade do governo civil em ação. Não creio que tenha sido para isto que pedimos a volta da democracia e eleições diretas, olhando por este lado vemos o quanto estas pessoas que aspiravam a tal da liberdade estavam e estão continuamente despreparadas.

Porém, por mais que tenhamos empatia com a dificuldade alheia, jamais poderemos esquecer que sofremos abandonos similares e ainda que façamos todo o possível, parece que não temos a visibilidade necessária e ainda mais, não somos nem ouvidos como as pessoas civilizadas que aparentamos ser. O fato é que muito em breve estaremos inebriados pelo afã do carnaval e a nova escalação do time de futebol ou a próxima novela com novos atores numa estória antiga, repetitiva que parece ter o poder de renovar a crença de que pobres e ricos podem viver em harmonia.

Neste tempo controverso, olho um pouco para o passado recente e vejo o quanto sofremos pelas causas naturais e não faz muito tempo tivemos a orla toda envolvida numa catástrofe, que eliminou em definitivo imóveis, ruas e avenidas. Fico imaginando outros iguais, períodos que estarão por vir e penso em como minimizar o impacto destas situações no nosso cotidiano. O que nossos governantes estão fazendo para prever este tipo de contratempos e como devemos agir em caso de situação de crise?

Nos países antigos e considerados civilizados são instalados em pontos estratégicos das cidades e seus distritos sirenes, do tipo antiaéreas nos Quartéis de Bombeiros, Defesa Civil e outras localidades consideradas importantes, para que no momento em que surja uma situação adversa, em que toda a população precise ser mobilizada e participar de um sistema de apoio, consiga identificar a necessidade inclusive de não sair de casa. Moramos numa área litorânea, com rotas regulares de aviação e comboios marítimos, porém não temos a mínima infra-instrutura para lidar com um acidente marítimo ou terrestre mesmo de pequenas proporções.

Deveríamos ter treinamentos urbanos regulares de contingência e emergência de todos os tipos, inerentes há nossa localidade, para que no momento em que houver a necessidade, atuarmos ainda que seja permanecendo em nossas residências, no sentido de não fazer parte do problema e sim da solução. Quando ouvirmos em alto e bom som as sirenes, toando os seus gritos de advertência, não prejudicarmos os profissionais e voluntários capacitados, para prontamente socorrer aqueles que momentaneamente são os mais necessitados de ajuda imediata.

Moramos na beira do um Oceano, junto a uma bacia hidrográfica própria e ainda que pareça uma fantasia, estamos sujeitos a ressacas fora de época e quem sabe Tsunamis dorsais Atlânticos, enchentes, epidemias, endemias e outros que nos deixem em situação de calamidade pública. Penso que providenciar um plano efetivo e prático de emergência, de fácil assimilação e rapidez de resposta da população, não só salvará as vidas possivelmente em risco, como demonstrará a seriedade e capacidade de prontidão de toda uma comunidade que se importa e preocupa com o próximo e o amanhã.

Hoje se uma onda gigantesca nos ameaçasse e ainda levasse mais de uma hora para nos atingir, não teríamos como ser avisados e poder salvar pelo menos nossas vidas. Entretanto se ouvíssemos ao longe, um aviso sonoro de que a cidade precisa estar em estado de alerta por esse motivo, ou de chuvas complexas, acidentes rodoviários de grandes proporções e outros, deixaria bem claro que os voluntários devem se apresentar e ocupar seus postos, que devemos liberar as vias de acesso e estar de prontidão nos hospitais e entrepostos de socorro com a maior eficiência possível, isso salva vidas as quais não se pode medir em valores monetários, sendo assim, nunca será um investimento por mais oneroso que seja a fundo perdido.

Se conseguirmos salvar uma única vida com este esforço, já terá valido a pena. Temos que olhar para o nosso município como um todo e não apenas o nosso jardim ou quintal e o nosso movimento antecipando estes acontecimentos solicita a quem possa ajudar e tenha real interesse em implementar estes serviços, que apresente suas idéias e projetos para que possamos submeter há apreciação dos órgãos competentes e criarmos um sistema emergencial público e eficiente. Lembrando que somos um movimento apartidário, sem interesses financeiros empenhados em melhorar a qualidade de vida em Maricá.

Participe desta ou de outras bandeiras na sua comunidade, construa seu futuro e defenda sua vida.

LUTO por Maricá

http://lutopormarica.blogspot.com/

Anúncios

Sobre Ana Paula Carvalho Silva

apc_anapaula@hotmail.com
Esse post foi publicado em Denúncias, Início, Maricá, Opinião. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Quero Fazer Mais!

  1. Pingback: Tweets that mention Quero Fazer Mais! | Barlavento & Sotavento -- Topsy.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s