MITOS: Todo Político É Corrupto?

Na política como em todos os nichos a conceituação é imprescindível e o preconceito inaceitável, as idéias abstratas porque omitem as diferenças entre coisas na sua extensão, tratando-as como se fossem idênticas e substantivas ao julgá-las. Portadores dos significados, faculdades de compreenderem, nos dão pseudo conhecimento do que está sendo observado.

O preconceito é o resultado pejorativo radical do conceito, no qual a pessoa conclui os fatos por tê-los prejulgado de maneira conflitante ao que se dispôs e podendo ser criado em relação a quase tudo e sempre variando em intensidade da distorção moderada a um erro total. Ao manifestarmos um falso juízo de conceitos preconcebido, geralmente tendemos a uma atitude “discriminatória” perante o que foi observado, comumente indicando um desconhecimento, deturpando-o ao apresentá-lo como não é.

Criando-se um estereótipo ao generalizar levianamente e discriminando com agressividade indivíduos ou grupos com características comuns. Por esta superficialidade ou pela estereotipia, o preconceito será sempre um erro. Equivoco deste que acha por ser, não do que é na veracidade. Muita atenção, pois podemos concluir que o preconceito é estabelecido numa base irracional, não fundamentado em argumentos ou raciocínios.

Em resumo: O preconceito nos torna intolerante ao ponto de acreditarmos que estamos absolutamente certos e que todos os que diferem destas idéias estão absolutamente errados e são maus, dito isto A verdade absoluta induz invariavelmente á intolerância! é mais ou menos como discutir religião, sempre nos levará para o fanatismo incondicional.

Vivendo numa época de muita instabilidade individual política, no imenso descrédito no caráter daqueles em quem estamos empenhando nossos votos de confiança por repetitivas vezes decepcionantes, aos quais com tanto apreço elegemos e fomos em algum momento traídos no pior dos sentimentos que é a confiança, e uma vez perdida é quase impossível a reconquista, ou interesse de querer reconquistar.

Sempre achamos importante participar e criticar quem não se mete neste assunto, achamos que não são participativos, muitas vezes nos achamos melhores porque não nos envolvemos nos problemas coletivos e que os outros não estão nem aí, porém para justificar a dignidade declaramos que não temos interesses políticos, esquecemos que como eleitores, e em nosso país que o voto é obrigatório, todos somos políticos, seja como eleitores, eleitos ou candidatos.

Achamos mais fácil retornar ao passado que criticávamos, ao político que já nos decepcionou (seja em capacidade, competência ou na moralidade) do que permitir novas oportunidades, a pessoas que ainda não consideramos, mas para estas é sempre mais fácil a desmotivação criando um preconceito de que estão à espreita de uma bocada, ou usarem isto ou aquilo como trampolim para sua candidatura, entre outros.

Se dissermos que todo o político é corrupto e inibimos a renovação e incentivamos a continuidade, somos cumplices destes quadros que nós mesmos pintamos. Devíamos ao contrário, desestimular os anteriores que já nos decepcionaram, incentivando desde já a novos personagens surjam em nossa política e permitirmos que se apresentem antecipadamente com serenidade, para que possamos conhece-los, saber como pensam, o que querem, sua capacidade e sua integridade. Com isto, permitirmos a possibilidade de renovar nossos políticos, hoje tão desgastados.

Todos querem ser melhores que os outros na conquista de nossos votos, em atos, palavras, projetos, posturas e ações, aparecendo assim pessoas capazes na vontade real de nos representar. É notório que estamos governados por lideranças muito distantes de todo o conteúdo moral ou ético que desejamos e aceitamos. Se quisermos hoje observar aqueles que se dizem capazes de nos representar, suas idéias, suas atitudes e demais informações necessárias para embasarmos nossas posturas em 2012, pois que se apresentem novos e velhos políticos ou apolíticos, não aceitaremos tão facilmente aqueles que aparecerão de surpresa e até mesmo acreditem que não precisem de apresentações. Não acreditamos mais em dissimulações nem em candidatos de última hora.

Ana Paula de Carvalho, Brasileira, e nunca desisto!

Anúncios

Sobre Ana Paula Carvalho Silva

apc_anapaula@hotmail.com
Esse post foi publicado em Civilidade.com.BR, Denúncias, Início, Maricá, Opinião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s